---

  • ?
  • ?

---

  • ?
  • ?

planejamentourbano
Comitiva alemã apresenta ideias para a mobilidade urbana de Guabiruba

Publicado em 05/11/2019 às 10:50 - Atualizado em 05/11/2019 às 10:52


Créditos: Valci S. Reis / PMG Baixar Imagem

Mobilidade urbana sustentável foi o tema de uma reunião realizada na manhã desta segunda-feira, 04, no gabinete do prefeito Matias Kohler. Ele e o vice Valmir Zirke receberam o professor doutor da Universidade de Karlsruhe, na Alemanha, Cristoph Hupfer, e o pesquisador dessa mesma universidade Söeren Veen para discutir projetos sobre o tema. O encontro teve ainda a participação de outros representantes da Prefeitura de Guabiruba e da Unifebe.

Da Unifebe, participaram a reitora Rosemari Glatz, o vice-reitor Sérgio Rubens Fantini, a relações internacionais Larissa Fischer e a professora e supervisora de Pesquisa e Internacionalização Rafaela Bohaczuk Venturelli Knop.

Da Prefeitura de Guabiruba, além do prefeito e vice, acompanharam a reunião o secretário de Planejamento Urbano e Infraestrutura Jethro Silvestre, a secretária de Meio Ambiente Bruna Ebele, a diretora de projetos Aline Razera e a arquiteta e urbanista Débora Battaglini Barroero, que também coordena as ações em parceria com Karlsdorf dentro do projeto Parcerias Mundiais pelo Clima, o que engloba mobilidade urbana e sustentabilidade. Isabel Eberle, estagiária alemã de passagem pela Prefeitura de Guabiruba, também esteve presente.

 

Discussões

O professor Cristoph Hupfer abriu a conversa comentando que os estudos feitos até agora apontam para três aspectos a serem observados: segurança no trânsito, aplicação de tecnologias e o estímulo a estudantes para o desenvolvimentode projetos. Segundo ele, as duas instituições – Unifebe e Universidade de Karlsruhe – contam com estudantes muito engajados. “Acredito em resultados muito positivos”, assegurou.

O prefeito Matias Kohler explicou que a Prefeitura de Guabiruba tem todo o interesse em desenvolver um projeto de mobilidade urbana sustentável e aplicável. O incentivo ao uso de bicicletas está entre as primeiras metas do plano guabirubense, com a instalação de ciclofaixas em todos os principais eixos da cidade conectando todos os bairros. “Até o ano que vem teremos mais 10 quilômetros de ciclofaixas instalados além dos já existentes. Esse pode ser um primeiro passo”, considerou.

Tanto o prefeito como o professor alemão concordaram com a necessidade de participação popular na elaboração e execução dos projetos de mobilidade urbana, o que vem sendo feito em Guabiruba através da realização de audiências públicas.

Segundo Kohler, o mais desafiador hoje é conciliar o desejo por melhores vias com a alta velocidade praticada pelos motoristas depois que as vias são pavimentadas. Tudo isso em uma cidade que tem quase a mesma quantidade de veículos e habitantes com ruas que não foram projetadas para uma frota tão grande quanto Guabiruba.

O professor Cristoph Hupfer elogiou a equipe de Planejamento Urbano de Guabiruba e enfatizou a importância do trabalho regional. Nocaso de Guabiruba, a cidade que mais exige diálogo nesse sentido é Brusque, com quem há três conexões viárias. A Unifebe realiza até hoje, 05, o Workshop de Mobilidade Sustentável, evento em parceria com a Universidade de Karlsruhe. Estudantes de Arquitetura e Urbanismo, Engenharia Civil e Sistemas de Informação foram desafiados a esquisar sobre esses três acessos, que são através dos bairros Guarani, Rio Branco e São Pedro.

 

Propostas e custos


Por fim, o prefeito Matias Kohler explicou que há uma legislação federal que determina que cidades como Guabiruba apresentem um plano de mobilidade até abril de 2020. Assim sendo, o município já vem discutindo esse tema há mais tempo.

Além disso, a Associação dos Municípios do Médio Vale do Itajaí também vem prestando consultoria aos associados e deve apresentar uma proposta à prefeitura nos próximos dias. "Temos consciência de que nem sempre o mais barato é o melhor. Outros fatores vão influenciar nessa escolha como a aplicabilidade e a qualidade do projeto. A Prefeitura de Guabiruba é a maior interessada em avançar com essa questão", concluiu.